Reino (ou Domínio) Archaea

Você está aqui: Home / Biodiversidade / Reino (ou Domínio) Archaea

As arqueas podem se apresentar em formas de bastões
As arqueas podem se apresentar em formas de bastões

Curtidas

0

Comentários

por Mariana

09 Sep 2014

Compartilhe:

O Reino - ou Domínio – Archaea (do grego – velho, antigo, em português - arquea) contempla um pequeno número de espécies procarióticas e unicelulares, geralmente microscópicas. Outrora, pertenciam ao reino Monera, devido a estas três características citadas. Entretanto, com os avanços da ciência, percebeu-se que este grupo se apresenta mais semelhante aos seres eucarióticos do que com as bactérias propriamente ditas.

A membrana citoplasmática se assemelha bastante com a dos eucarióticos, por conter fosfolipídios, estes em cadeia linear, com ligações do tipo éster. Assim como nas bactérias propriamente ditas, o cromossomo é, geralmente, único e circular.

As arqueas possuem uma característica muito marcante, que diz respeito ao seu habitat: vivem em ambientes extremos, quase que incompatíveis com a presença de seres vivos; como em gêiseres e vulcões (termófilas extremas); lagos ácidos e altas concentrações salinas (halófitas extremas); pântanos, ou tubo digestório de determinados animais, produzindo metano (metanogênicas). Acredita-se que este fato se deve à antiguidade do grupo, e às poucas mudanças que seus representantes sofreram ao longo do tempo, já que na Terra primitiva tais condições eram encontradas.

Arqueas são capazes de viver em ambientes extremos, como vulcões
Arqueas são capazes de viver em ambientes extremos, como vulcões

Quanto à estrutura, estes organismos podem se apresentar espiraladas, em forma de cocos, bastões, vírgulas, ou mesmo sem forma definida. A parede celular nestes indivíduos, quando presente, é sempre desprovida de peptideoglicano. Entretanto, esta varia bastante de acordo com a espécie, indicando que o ancestral poderia ser desprovido de parede.

Curiosidade: pesquisadores acreditam que as archaeas podem corresponder a até 34% da biomassa procariótica das águas costeiras superficiais da Antártida!


Por Mariana Araguaia
Graduada em Biologia

Curtidas

0

Comentários

por Mariana

09 Sep 2014

Compartilhe: