Mitocôndrias

Você está aqui: Home / Biologia Celular / Mitocôndrias

A mitocôndria é uma organela envolvida com a produção de ATP
A mitocôndria é uma organela envolvida com a produção de ATP

Curtidas

0

por Vanessa

Compartilhe:

As mitocôndrias são as organelas celulares responsáveis pela respiração celular, processo no qual as células conseguem produzir ATP por meio da oxidação de moléculas orgânicas. O ATP é a molécula que armazena energia para as principais atividades celulares. Graças a essa função, o número de mitocôndrias é maior em locais que requerem alto gasto de energia. As células do fígado, por exemplo, apresentam em média duas mil mitocôndrias.

Essas organelas são pequenas, apresentando-se com 1,5 a 10 mícron de comprimento e até 1 mícron de diâmetro, tamanho similar ao de bactérias. Seu formato é variável, mas normalmente possuem a forma de bastonete e são encontradas em basicamente todas as células eucarióticas.

A mitocôndria apresenta dupla membrana lipoproteica, sendo a mais externa lisa e a mais interna com invaginações que formam a crista mitocondrial. A membrana interna é um local de síntese de ATP e, além disso, delimita a matriz mitocondrial, local onde estão presentes o DNA e RNA mitocondriais, enzimas que participarão da respiração celular e ribossomos. O DNA nessas organelas é circular, o que lembra o DNA de bactérias.

A presença de DNA próprio confere a essas organelas algumas peculiaridades. As mitocôndrias possuem capacidade de autoduplicação, dividem-se por fissão. Além disso, são chamadas de semiautônomas, pois conseguem sintetizar algumas proteínas necessárias a elas, entretanto não produzem todas.

Vale destacar que o DNA mitocondrial é uma herança apenas materna, pois, no processo de fecundação, as mitocôndrias paternas degeneram-se e, portanto, apenas as presentes no gameta feminino foram multiplicadas durante a formação do embrião. Sendo assim, a sequência desse DNA é idêntica para todos os nossos parentes por parte de mãe.

Em razão da presença de DNA e RNA próprios, além da dupla membrana, capacidade de autoduplicação e semelhança genética e química com algumas bactérias, os cientistas acreditam que essa organela inicialmente era um ser procarioto que invadiu ou foi fagocitado por outro organismo primitivo. Não se sabe o real motivo, mas esse procarioto não foi digerido e as duas células passaram a viver em simbiose. Essa teoria é chamada de teoria endossimbiótica e também explica a origem dos plastos nas células vegetais. É interessante notar que em uma célula vegetal, por exemplo, são encontrados três tipos de DNA: o encontrado no núcleo, o encontrado na mitocôndria e o dos plastídeos.


Por Ma. Vanessa dos Santos

Curtidas

0

por Vanessa

Compartilhe: