Fator Rh

Você está aqui: Home / Genética / Fator Rh

Além do sistema ABO, é importante conhecer o sistema Rh antes de realizar uma transfusão sanguínea
Além do sistema ABO, é importante conhecer o sistema Rh antes de realizar uma transfusão sanguínea

Curtidas

0

por Vanessa

06 Jul 2015

Compartilhe:

O fator Rh ou sistema Rh foi descoberto em 1940 por Landsteiner e Wiener ao estudarem o sangue do macaco do gênero Rhesus (Macaca mulatta). Os pesquisadores perceberam que, ao colocar sangue do macaco em um coelho, este iniciava uma produção de anticorpos capazes de aglutinar as hemácias do macaco.

Os pesquisadores começaram então a estudar o sangue humano e perceberam que a maioria dos indivíduos submetidos ao teste tinha o sangue aglutinado na presença do soro, que foi chamado de anti-Rh (antirrhesus). Uma minoria, que ficava em torno de 15%, não apresentava nenhuma aglutinação.

Com base nos resultados obtidos, foi possível concluir que nas hemácias de algumas pessoas existiam antígenos, que foram chamados de Rh, e em outras esses antígenos estavam ausentes. No plasma das pessoas que possuíam antígeno Rh, ou seja, pessoas Rh positivas (Rh+), não existiam anticorpos no plasma, assim como naquelas que não possuíam o antígeno Rh (Rh negativas - Rh-). A diferença está no fato de que, nas pessoas Rh-, ocorre a produção de anticorpos quando elas são expostas às hemácias com antígeno Rh.

Os sangues Rh+ e Rh- são condicionados por dois alelos que apresentam dominância completa: R e r. Pessoas que apresentam o genótipo RR ou Rr apresentam fenótipo Rh+, mas aqueles que apresentam genótipo rr apresentam fenótipo Rh-. Observe o quadro:

Genótipo

Fenótipo

Hemácias

Plasma

RR ou Rr

Rh +

Antígeno Rh

Sem anticorpo Anti- Rh

rr

Rh -

Sem antígeno Rh

Anticorpo Anti-Rh após exposição às hemácias com antígeno Rh.

A descoberta do sistema Rh foi essencial para o desenvolvimento de pesquisas sobre transfusões de sangue, uma vez que esse processo, quando se baseava apenas no sistema ABO, apresentava falhas. A partir dessa descoberta, o sangue passou a ser testado também para o sistema Rh.

Além da transfusão de sangue, o entendimento do sistema Rh permitiu a compreensão do mecanismo da doença hemolítica do recém-nascido (eritroblastose fetal). Esse problema ocorre na gestação de uma criança Rh+ por uma mulher Rh-, o que desencadeia a produção de anticorpos que podem colocar em risco a criança que for gerada em uma próxima gestação.

Durante a gestação, a mulher Rh- sofre sensibilização em decorrência do contato com o sangue da criança Rh+ que está sendo gerada. No momento do parto, ocorre um grande contato com o sangue e, consequentemente, inicia-se uma intensa produção de anticorpos e células de memória contra o fator Rh.

Em uma nova gestação de criança Rh+, a mulher Rh- produz uma grande quantidade de anticorpos contra as hemácias do bebê. A destruição das hemácias desencadeia uma anemia grave na criança, o que caracteriza a doença hemolítica do recém-nascido. Vale frisar que atualmente existem injeções que evitam a sensibilização na primeira gestação.


Por Ma. Vanessa dos Santos

Curtidas

0

por Vanessa

06 Jul 2015

Compartilhe: