Aracnídeos

Você está aqui: Home / Zoologia / Aracnídeos

As aranhas são exemplos de aracnídeos
As aranhas são exemplos de aracnídeos

Curtidas

0

por Vanessa

Compartilhe:
Por Vanessa Sardinha

Os artrópodes são invertebrados bastante diversificados que ocupam praticamente todos os ambientes do planeta. O sucesso desse grupo deve-se principalmente à presença de um exoesqueleto de quitina que protege o corpo do animal. Além do exoesqueleto, esse grupo é caracterizado pela presença de patas articuladas (aspecto que originou seu nome: Athos = articulados; podos = pé).

Os artrópodes podem ser divididos em quatro subfilos: Crustacea, Hexapoda, Myriapoda e Chelicerata. O subfilo Chelicerata apresenta corpo dividido em cefalotórax (prossoma) e abdômen (opistossoma), não possui antenas, além de deter quatro pares de patas, quelíceras e pedipalpos. Nos escorpiões, o abdômen é dividido em tronco (mesossoma) e cauda (metassoma). Na região da cauda é encontrada uma estrutura que é usada para inocular a peçonha (télson). Nos ácaros, o cefalotórax e o abdômen parecem fundidos em uma única peça.

As quelíceras e pedipalpos atuam ajudando o animal na captura do alimento, bem como na dilaceração. Nas quelíceras das aranhas é encontrado veneno. O pedipalpo também pode ser usado na reprodução.

O subfilo Chelicerata divide-se em três classes: Merostomata, Pycnogonida e Arachnida. A classe Arachnida apresenta representantes geralmente terrestres. Como exemplos dessa classe, podem ser citados as aranhas, escorpiões, carrapatos e ácaros.

Os aracnídeos alimentam-se principalmente de outros artrópodes, apresentam sistema digestório completo e, em escorpiões e aranhas, a digestão é parcialmente extracorpórea. As aranhas, ao realizarem a captura, mantêm a presa próxima à boca, assim é possível que as substâncias digestivas atuem sobre ela. Depois desse processo, a aranha suga os líquidos do animal.

Os aracnídeos possuem olhos simples. A respiração é realizada por intermédio de órgãos denominados filotraqueias. Nas aranhas, além das filotraqueias, encontram-se as traqueias. A excreção é feita por órgãos especializados denominados túbulos de Malpighi e por glândulas coxais.

Os sexos desses animais são separados, a fecundação é interna e o desenvolvimento é direto, sem desenvolvimento de larvas para os escorpiões e aranhas. Nos ácaros, surge uma larva, sendo, portanto, seu desenvolvimento indireto.

A cópula dos aracnídeos acontece de várias maneiras. Nos escorpiões, o acasalamento acontece depois de uma “dança nupcial”, que resulta na liberação do espermatóforo no solo e posterior fecundação da fêmea, que é colocada sobre o espermatóforo. Nos escorpiões do gênero Tityus, a gestação dura três meses e, após o parto, os filhotes ficam no dorso da mãe até a primeira muda. Algumas espécies reproduzem-se por partenogênese, ou seja, sem a necessidade de um macho. Nas aranhas, a cópula pode ser trágica, uma vez que, em algumas espécies, a fêmea come o macho após o acasalamento.

Algumas espécies de aracnídeos são de grande importância médica. Veja abaixo:

- Os ácaros são animais relacionados ao desencadeamento de respostas alérgicas, como rinites e asmas. Além disso, a espécie Sarcoptes scabiei é responsável pelo aparecimento de sarnas.

- As aranhas são animais ditos peçonhentos e inoculam seu veneno das peças bucais. O veneno pode causar desde pequenas irritações no local da picada até a morte. Entre as espécies venenosas brasileiras, destacam-se a aranha-marrom (Loxosceles spp.), a aranha-amadeira (Phoneutria spp.), a viúva-negra (Latrodectus) e a tarântula (Lycosa spp).

- No Brasil, destacam-se dois escorpiões venenosos: o escorpião-amarelo (Tityus serrulatus) e o marrom (Tityus bahiensis).

Em caso de acidentes com aranhas e escorpiões, um médico deverá ser consultado para que seja aplicado o soro antipeçonhento. Para evitar acidentes, verifique sempre seus sapatos e roupas antes de se vestir, mantenha a casa limpa, evitando insetos que servem de alimento para esses animais, evite o acúmulo de entulhos e não deixe camas e berços em contato com as paredes.


Por Ma. Vanessa dos Santos

Curtidas

0

por Vanessa

Compartilhe: