Platelmintos

Você está aqui: Home / Zoologia / Platelmintos

As tênias são um exemplo de representantes dos platelmintos
As tênias são um exemplo de representantes dos platelmintos

Curtidas

0

por Vanessa

Compartilhe:

O Filo Platyhelminthes, ou simplesmente platelmintos, reúne um grupo de organismos que possuem corpo alongado e achatado dorsoventralmente. Muitos costumam chamar os representantes desse grupo simplesmente de vermes achatados, em razão da ausência de patas e do formato de fita característico.

Alguns representantes desse grupo possuem vida livre, tais como as planárias. Todavia, esses organismos destacam-se por suas formas parasitas, como é o caso do Schistosoma mansoni e da Taenia. Vale destacar que, entre os platelmintos de vida livre, a maioria encontra-se no mar, mas existem espécies de água doce e terrestres.

Os platelmintos foram o primeiro grupo de organismos que apresentou simetria bilateral, ou seja, corpo que pode ser dividido em duas metades iguais. Além da simetria, podemos destacar como características: a presença de três folhetos germinativos (triblásticos), ausência de celoma (acelomados) e corpo dividido em segmentos (ametaméricos).

Esses animais possuem sistema digestório incompleto, mas há alguns representantes, como a Taenia, em que esse sistema encontra-se ausente. O sistema excretor é constituído por protonefrídios – túbulos ramificados com uma célula excretora na extremidade. Essa célula pode apresentar um flagelo, recebendo o nome de solenócito, ou apresentar vários flagelos, sendo denominada de células flama. A respiração ocorre por difusão, sendo, portanto, cutânea. Esses animais não possuem sistema circulatório.

Observe o sistema nervoso da planária do tipo ganglionar
Observe o sistema nervoso da planária do tipo ganglionar

Os platelmintos possuem sistema nervoso centralizado e ganglionar com dois gânglios nervosos de onde partem dois cordões que se estendem pelo corpo. Desses cordões partem os nervos que atuam no controle de músculos e no recebimento de estímulos. Como órgãos sensoriais, alguns desses animais apresentam estruturas quimiorreceptoras e fotorreceptoras.

A reprodução dos platelmintos varia de acordo com o grupo estudado, podendo ser assexuada ou sexuada. Entre as formas assexuadas, podemos citar a fissão transversal e a regeneração. No caso da reprodução sexuada, destacam-se a autofecundação e a fecundação cruzada.

Geralmente os platelmintos são classificados em três grandes grupos:

Classe Turbellaria: Engloba organismos de hábito aquático e de ambientes terrestres úmidos, ou seja, apenas seres de vida libre. Dentre seus representantes podemos citar a planária.

Classe Trematoda: Engloba organismos que são ecto ou endoparasitas, ou seja, que vivem, respectivamente, externa ou internamente no corpo do hospedeiro. Como exemplo, podemos citar o Schistosoma mansoni.

Classe Cestoda: Todos os representantes são endoparasitas sem sistema digestório. Entre seus representantes, podemos citar a Taenia.

Como já salientado, algumas espécies de platelmintos são parasitas e responsáveis por doenças em vários animais, inclusive nos humanos. Entre as principais doenças causadas por platelmintos, podemos citar a esquistossomose, a teníase e a cisticercose.

Atenção: Para ampliar seus conhecimentos sobre as doenças causadas por seres desse grupo e por nematoides, acesse nosso conteúdo exclusivo sobre Verminoses.


Por Ma. Vanessa dos Santos

Curtidas

0

por Vanessa

Compartilhe: