Répteis

Você está aqui: Home / Zoologia / Répteis

O Dragão-de-komodo é uma espécie de réptil encontrada nas ilhas de Komodo
O Dragão-de-komodo é uma espécie de réptil encontrada nas ilhas de Komodo

Curtidas

0

Comentários

0

por Vanessa

Compartilhe:
Por Vanessa Sardinha

O termo réptil vem do latim reptilis e significa “que se arrasta”. Entre seus representantes, podemos citar as serpentes, crocodilos, jacarés, lagartos e tartarugas. Esses animais caracterizam-se por serem tetrápodes e de pele grossa, apresentam pulmões e botam ovos com casca resistente.

Esses animais, assim como os anfíbios, não possuem a capacidade de manter a temperatura do corpo constante. Isso ocorre porque eles não conseguem controlar sua temperatura através do calor gerado no metabolismo. Para conseguirem uma temperatura ideal, os répteis utilizam certas estratégias, como a exposição ao sol quando o dia está frio. Além disso, quando a temperatura se torna muito alta, eles protegem-se em rios, lagos, locais sombreados, entre outros. Falamos que animais com essa característica são ectotérmicos.

Como dito anteriormente, uma característica interessante dos répteis é sua pele grossa, que, diferente dos anfíbios, é muito especializada para a vida no ambiente terrestre. Esses animais não possuem glândulas e sua pele pode ser recoberta por placas, escamas, plastrões e carapaças. Essa característica permite que os répteis tenham grande vantagem em ambientes secos, tais como os desertos.

Os répteis possuem sistema digestório completo e seus representantes, na sua maioria, são carnívoros. Muitos são predadores e não incluem espécies parasitas.

Esse grupo de vertebrados possui respiração pulmonar muito eficiente. Diferentemente do grupo dos anfíbios, os répteis não necessitam da pele para complementar suas trocas gasosas.

Sua circulação é dupla e incompleta. O coração apresenta quatro cavidades, porém os ventrículos não são completamente separados. Os crocodilianos, grupo que inclui jacarés e crocodilos, possuem os ventrículos separados.

Eles excretam ácido úrico, substância que não necessita de água para ser eliminada. Essa característica é extremamente importante em um grupo que vive em ambientes com pouca disponibilidade de água.

Além disso, possuem um sistema nervoso constituído por encéfalo e nervos que saem da medula espinhal. Apresentam um sistema sensorial com grandes adaptações, como os órgãos de Jacobson, que possuem função olfativa, e as fossetas loreais, que conseguem captar o calor, ajudando, assim, na localização das presas.

A fecundação é geralmente interna e o desenvolvimento não apresenta fase larval (desenvolvimento direto). Grande parte das espécies desse grupo apresenta órgãos especializados para a cópula. A maioria dos seus representantes é ovípara, porém existem espécies que são ovovivíparas.

O ovo desses animais protege o embrião contra a dissecação graças à presença de uma casca resistente. Nesse ovo aparecem os chamados anexos embrionários, tais como o saco vitelínico (responsável pela nutrição do embrião), bolsa amniótica (bolsa de água que protege contra a desidratação e choques mecânicos), alantoide (responsável pelas trocas gasosas e excreção) e córion (proteção, além de colaborar com a respiração).

Podemos classificar os répteis em quatro ordens principais:

Chelonia: Dentre as suas principais características, podemos destacar a presença de escudos e plastrões, estruturas muito importantes para a proteção. Exemplo de representantes: tartarugas, cágados e jabutis.

Crocodilia: Os animais dessa ordem apresentam corpo revestido por placas córneas. Eles são os únicos répteis que possuem coração com quatro cavidades completamente separadas. Exemplo: crocodilos e jacarés.

Squamata: Incluem os representantes que possuem corpo recoberto por escamas. Exemplos: Cobras (ofídios) e lagartos (lacertílios).

Rhynchocephalia: Esse grupo é considerado primitivo. Seu corpo é recoberto por escamas córneas. Exemplo: Tuataras.


Por Ma. Vanessa dos Santos

Curtidas

0

por Vanessa

Compartilhe: