Alterações cromossômicas estruturais

Você está aqui: Home / Genética / Alterações cromossômicas estruturais

Quando ocorrem alterações na morfologia do cromossomo, temos o que chamamos de alteração cromossômica estrutural
Quando ocorrem alterações na morfologia do cromossomo, temos o que chamamos de alteração cromossômica estrutural

Curtidas

0

Comentários

0

por Vanessa

Compartilhe:
Por Vanessa Sardinha

As alterações cromossômicas estruturais são mudanças que afetam a morfologia do cromossomo. Essas alterações podem ser, por exemplo, perdas de partes do material genético ou mudanças na sequência dos genes. Elas podem ser classificadas em quatro grupos: deleção, duplicação, inversão e translocação.

Leia também: Aberrações cromossômicas numéricas


Partes do cromossomo

Antes de compreendermos melhor o que são as alterações cromossômicas, é fundamental relembrar as partes básicas do cromossomo.

Um cromossomo apresenta dois braços e um centrômero. O centrômero é uma região que divide o cromossomo em duas partes (braços) e é a região de maior proximidade entre as cromátides irmãs (cópias do cromossomo que aparecem quando um cromossomo divide-se). Essa região relaciona-se com a divisão celular, pois permite a ligação das fibras do fuso (fibras que orientam a divisão dos cromossomos na divisão celular) e segregação das cromátides. Quando o cromossomo está duplicado, apresenta duas cromátides irmãs, as quais ficam bem próximas na região do centrômero. Veja a figura a seguir:

Observe a estrutura de um cromossomo duplicado com suas cromátides irmãs, braços e centrômero
Observe a estrutura de um cromossomo duplicado com suas cromátides irmãs, braços e centrômero

Denominamos de cromossomos homólogos aqueles que possuem genes para a mesma característica ocupando o mesmo local correspondente. Um cromossomo homólogo é adquirido da mãe, e outro, do pai.


Deleção

A deleção é uma alteração cromossômica estrutural em que há a perda do material genético. Nesses casos, ocorre a quebra de uma porção do cromossomo, que não é mais incorporada a ele. Esse cromossomo, portanto, não apresenta todos os genes, o que afeta de forma considerável o indivíduo.


Duplicação

A duplicação é uma alteração cromossômica estrutural em que há uma repetição do material genético. Essa alteração ocorre, normalmente, após uma deleção. O fragmento que foi perdido liga-se à cromátide irmã, formando uma porção extra (duplicada).


Inversão

Na inversão, há a separação de uma parte do cromossomo e a posterior união dessa porção, mas de forma invertida. Nesse caso, nada se perde, porém, a ordem dos genes é alterada. A inversão pode ser classificada em dois tipos:

  • Inversão pericêntrica: a região invertida no cromossomo envolve o centrômero;

  • Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

    Inversão paracêntrica: o centrômero não é envolvido.

Observe os processos que resultam na deleção, duplicação e inversão:


Translocação

A translocação é uma alteração cromossômica estrutural em que ocorre a incorporação de uma porção cromossômica a um cromossomo não homólogo. Podemos classificar essa alteração cromossômica em:

  • Translocação recíproca: ocorre quando há troca entre os dois cromossomos envolvidos;

  • Translocação não recíproca: ocorre quando um cromossomo transfere um fragmento, mas não recebe outro de volta;

  • Translocação Robertsoniana: acontece entre cromossomos acrocêntricos (onde se observa um braço muito maior que o outro em razão da proximidade do centrômero com a extremidade de um dos braços). Nesse caso, um cromossomo perde seu braço longo, e outro, seu braço curto. Após ocorrer a troca, dá-se origem a um cromossomo formado por braços longos e a outro formado por braços crutos.

Veja um exemplo de translocação
Veja um exemplo de translocação

Curtidas

0

por Vanessa

Compartilhe: